Crise: um momento especial na vida!

Entrou em crise? Aproveite toda a energia da crise para “virar a mesa”!

Não fuja dela. Enfrente e saia mais maduro e diferente!

Nossos dias tão atribulados trazem muitas vezes surpresas que nos fazem mudar de rumo. Crises fazem parte do ciclo da vida e elas não avisam o dia da chegada. São acontecimentos desagradáveis que mobilizam reações poderosas na tentativa de retornar o equilíbrio emocional e alcançar alívio. Cada etapa da vida passa por “crise de mudança”:

  • A criança passa por luto da perda da infância quando entra na adolescência;
  • O jovem passa por luto da perda das “mordomias” da adolescência e juventude passando assumir responsabilidade integral sobre sua vida quando entra na maturidade;
  • O casamento e suas adaptações, início e a chegada dos filhos
  • Surpresas inesperadas com a chegada de um filho ou filha em condições especiais;
  • Os pais se mobilizam emocionalmente com as situações de conflito de seus filhos, com suas dificuldades escolares;
  • A crise da “meia idade” que vem em torno dos 40 anos muitas vezes desencadeadas por mudanças profissionais e/ou conjugais;
  • Mudanças inesperadas o trabalho, mudanças de país;
  • Crise no momento de aposentadoria. “O que fazer agora que não tenho nada para fazer?”
  • Processo de luto pela perda de um ente querido e as novas adaptações.

A passagem para cada nova etapa desencadeia um movimento interno de conflito, inseguranças, um “não sei o que fazer” e tomadas de decisão. São momentos de rever a vida, repensar situações, projetar novas expectativas. Ao mesmo tempo em que uma crise pode ser extremamente dolorida, difícil de ser encarada, ela pode ser a porta de saída para um novo caminhar. O ideograma chinês para a palavra crise é a junção de dos ideogramas distintos: ameça e oportunidade. É preciso desestabilizar para que haja mudança.

As aprendizagens que as crises oferecem podem acontecer rapidamente ou podem necessitar de um tempo maior para se descobrir alternativas que tragam mudanças significativas. Momentos de maior tensão emocional, ansiedades e medos, lutos, sensação de “túnel sem saída” podem levar a um estado depressivo que compromete a saúde física, as relações familiares, sociais e profissionais com intensidades variáveis. Por isto, é importante contar com a ajuda de profissionais especializados tanto na área psicológica quanto médica, quando necessário, para auxiliar o cliente e sua família a buscar o equilíbrio e um ajuste mais saudável que abrem portas para novas perspectivas.

Saúde física e emocional andam de mãos dadas. As abordagens de vanguarda trabalham com profissionais de diversas áreas que se inter-relacionam para melhor atender o seu cliente. O olhar sistêmico do profissional oferece a possibilidade tanto para o cliente quanto para sua família, de receber acompanhamento psicológico para a reorganização dos padrões de atitudes e relacionamentos do sistema familiar e/ou profissional, acompanhamento médico quando necessário, para auxiliar a reorganização metabólica e fisiológica do cliente. A integração das áreas psicológica e médica favorece o processo de saída da crise e proporciona uma maior consistência às mudanças geradas por ela.

O processo psicoterapêutico nestas situações é focado na revisão dos padrões de funcionamento mental, corporal e emocional que influenciam positiva ou negativamente nos contextos familiar, social, escolar e/ou profissional. Visa auxiliar na tomada de consciência destes padrões e na inserção de novas aprendizagens cognitivas, emocionais, corporais e atitudinais, no modo de agir e reagir às solicitações do dia a dia nos diversos âmbitos dos relacionamentos. Portanto, entrar em uma crise pode ser a sua grande oportunidade para lidar com “fantasmas” que impedem um crescimento saudável e consequentemente alcançar uma maturidade mais equilibrada e produtiva!Filhos em parceria com os pais

Crianças, adolescentes, filhos indo para outro país junto com seus pais levando junto seus medos e inseguranças. O cuidado com os filhos em mudança de país é fundamental para o bem estar e saúde da família. Cada faixa etária tem sua demanda específica e precisa ser observada detalhadamente. É necessário trabalhar com os filhos sempre do ponto de vista das descobertas, do novo, das surpresas e de forma positiva buscando referências para fundamentar sua segurança e confiança naquilo que está se apresentando para a família. Abordamos a seguir alguns pontos importantes:

Crianças pequenas com idade de maternal e pré escolar (0 a 5 anos): conversar sobre a viagem, sobre a mudança, mostrar fotografias ou vídeos lugar e falar o quanto vai ser legal conhecer amiguinhos novos, passeios novos, etc. Selecionar junto com a criança alguns brinquedos preferidos, livrinhos das estórias que mais gostam para levar junto. É importante que a criança fique com os pais, sem ir para escola, durante pelo menos os prierios 6 a 8 meses da estadia no campo para melhor adaptação, aprendizagem da língua e dos costumes do local.

Crianças em idade escolar: trabalhar com eles como com os pequenos e acrescentar no seu preparo antes da viagem leituras sobre viagens, sobre o local, etc. Observar quais são suas inseguranças e medos em relação à mudança e escola nova. Pesquisar sobre as escolas do lugar e língua falada na escola. É importante também selecionar brinquedos, livros e objetos que a criança deseja levar junto. Trabalhar a história do país, sua língua, cultura, ver filmes ou documentários sobre o país sempre com informações de acordo com sua faixa etária.

Adolescentes e jovens: as demandas nesta faixa etária são mais complexas pois é a idade da turminha, dos grupos e eles vão deixar parar trás sua turma de amigos, da escola, de outros lugares. É fundamental que eles tenham os mesmos preparos citados nas outras faixas etárias e também acompanhamento específico em relação à questão escolar, pois estão se preparando para as escolhas profissionais.

As adaptações e choques culturais das crianças são um pouco diferentes do que acontece com os adultos. De certa forma eles não escolheram morar em outro lugar, não escolheram mudar de país. Eles tem mais dificuldades para processar as perdas e mudanças por não terem idade suficiente para compreender o que realmente está acontecendo.

O cuidado e os acompanhamentos necessitam ser feitos por profissionais habilitados para trabalhar este processo com as famílias e os filhos, pois entendemos que cuidar das crianças é fundamental para auxiliar a família que está se preparando para se mudar, bem como para aquelas que já estão em outro país.

Lea Rocha Lima e Marcondes