Mudança… transformação e metamorfose!

Mudança rima com andança, com comilança, com dança, com lembrança e com tantas outras.

Mudança traz movimento, sentimento, deslocamento.

Movimento que não se sabe onde vai dar. Movimento que nos leva ao desconhecido.

Sentimento que provoca dores, nostalgia, desconforto, melancolia, mas também finalizações e surpresas.

Deslocamentos internos intenso. Tudo sai do lugar e ainda não tem um novo lugar.

O espaço interno fica sem espaço.

O tempo paralisa nas memórias.

As vivências vão e voltam, vão e voltam, se tornam atemporais, presentes na sua ausência, quentes e vivas; mas elas não estão mais diante dos nossos olhos e abraços. É apenas a sua ressonância que se aproxima em ondas como as ondas do mar, vão e voltam… vão e voltam… sonoras, suaves, intensas, constantes… vão e voltam…

Vivências que foram sentidas, amadas, sofridas, choradas, que foram vividas com paixão, com doçura…

Tempos que não votam mais. Tempos que estão guardados no “lado esquerdo do coração” como diz a poesia musical de Milton Nascimento.

Mudança traz transformação na alma, no corpo, no coração. Mudança ressignifica o que um dia foi real. Lida com a subjetividade de uma forma concreta. Subjetividade que aflora na pele, explícita, visível e palpável.

Memórias que aquecem a alma e sopram mansamente em direção à metamorfose. Elas vêm como uma brisa suave apontando às novas formas que foram por elas geradas. Formas que nascem transmutadas, que trazem no seu âmago a essência do que foi vivido e na sua pele novas cores, novos amores, construções e padrões, novas direções.

A alma dança na mudança. A alma separa o que já foi e não é mais, guarda o que é precioso, limpa lugares com dor, cuida das feridas, acaricia o que permanece.

A alma vive a dialética da mudança, sofre e se alegra, chora e sorri. Perambula por caminhos ainda desconhecidos que surgem no horizonte.

Despedidas da estrada que para trás fica, acenos para a estrada que desponta como sol no amanhecer.

Mudança… transformações e metamorfose!

Lea Rocha Lima e Marcondes   16/01/2020