Sopro Divino

dia de incertezas,

dia de inseguranças, de tremor,

dia de espasmos sutis, de fibrilação visceral

a alma suspensa acima do chão

perambula nas histórias passadas,

vividas na espera de um amanhã…

amanhã que já se concretizou

que se faz hoje.

Deus andou junto todo o percurso

transformou o predito acerca do outro

transcendeu a determinação,

mas permaneceu a fragilidade

da alma recoberta com penugem

que a brisa não pode soprar.

Película fina, mascarada, insólita e tênue…

que pode se romper no mais leve movimento

e me traz medo da eclosão do caos,

da confusão que emerge e permanece

e me faz sangrar o rasgo da alma…

Deus me acompanha e tem me sustentado

neste solo incerto com futuro nebuloso e hipotético…

Ele é! Apenas É…

 

Léa Rocha Lima e Marcondes

12/10/05